hepatitec22  Saiba como ter acesso ao diagnóstico e tratamento para Hepatite C   no SUS



 No Brasil, segundo o Ministério da Saúde, mais de um milhão de pessoas tem  Hepatite C,  doença silenciosa  que pode causar cirrose, insuficiência hepática e câncer, além de ser responsável por cerca de 50% dos transplantes de fígados em adultos.

 A doença pode ser transmitida pelo contato com sangue contaminado (transfusão de sangue e hemoderivados, sexo desprotegido e compartilhamento e objetos de uso pessoal como agulhas de tatuagem, alicates e tesouras). O surgimento de sintomas em pessoas com hepatite C é raro, mas podem surgir em alguns casos. Cansaço, tontura, enjoo e/ou vômitos, febre, dor abdominal, pele e olhos amarelados, urina escura e fezes claras estão entre os sinais.

Por se tratar de uma doença silenciosa, é importante fazer exames de rotina. Além disso, toda mulher grávida precisa fazer no pré-natal os exames para detectar as hepatites B e C, a aids e a sífilis. Esse cuidado também é fundamental para evitar a transmissão de mãe para filho.

Pessoas acima de 40 anos, em especial, as que realizaram procedimentos cirúrgicos, transfusão de sangue, antes de 1993, pois o diagnóstico precoce da hepatite C é fundamental.  Existem centros de assistência do SUS em todos os estados do país que disponibilizam do teste rápido para a hepatite C, bem como o  tratamento.  Nos últimos dois anos, mais de 5,5 milhões de testes rápidos para hepatite C foram distribuídos no país.

Verifique qual o centro de saúde mais perto de você nos endereços abaixo:

 http://www.aids.gov.br/sites/default/files/anexos/page/2010/42979/centro_de_assistencia_do_sus_para_o_tratamento_de__18138.pdf

O objetivo principal do tratamento oferecido no SUS é a erradicação do vírus que causa a Hepatite C. Com ele, o paciente pode aumentar a expectativa,  a qualidade de vida e diminuir a incidência de complicações da doença. Uma série de medicamentos está disponível gratuitamente no SUS, além do acompanhamento por profissionais especializados.  

Em outubro de 2015, o Brasil incorporou três novos medicamentos, considerados de ponta,  para o tratamento da hepatite C: São eles daclatasvir, simeprevir e sofosbuvir. As drogas elevam para mais de 90% a taxa de cura da doença, pois o   antigo tratamento (Interferon e outros) propiciava a cura entre 40 a 50%  Além disso, os novos tratamentos  apresentam  efeitos colaterais mínimos e proporcionam um tempo menor de tratamento (de 12 a 24 semanas).

Evitar a doença é possível e fácil. Basta não compartilhar com outras pessoas objetos que possam ter entrado em contato com sangue, como seringas, agulhas e objetos cortantes.

Entre as situações de risco para a infecção estão consumo de bebida alcóolica , drogas e ainda a falta de acesso à informação e o uso de insumos de prevenção como preservativos, seringas e agulhas descartáveis. Caso você não saiba onde ter acesso aos insumos de prevenção, ligue para o Disque Saúde (136).

Fonte: Gabi Kopko, para o Blog da Saúde